Publications

Campos JC, Harrison M.  1999.  Using automated reasoning in the design of an audio-visual communication system. Design, Specification and Verification of Interactive Systems - DSV-IS. :167-188. Abstractcamposh99.pdf

Formal reasoning about how usersn and systems interact poses a difficult challenge. Interactive systems design provides a context in which the subjective area of human understanding meets the objectivity of computer systems logic. We present results of a case study in the use of automated reasoning to aid the formal analysis of interactive systems. We show how we can use human-factors issues to generate properties of interest, and how we can use model checking and theorem proving to analyse our specifications against those properties.This is part of ongoing work in the development of a tool to allow the automatic translation of interactor based specifications into SMV, and in the analysis of the role which different verification techniques might have during the development of interactive systems.

Campos JC.  1998.  Integrating Automated Verification into Interactive Systems Development. 13th IEEE International Conference: Automated Software Engineering - Doctoral Symposium Proceedings. :13-15. Abstractase98.pdf

Our fieldof researchis the applicationof automatedrea-soning techniques during interactor based interactive sys-tems development. The aim being to ensure that the de-veloped systems embody appropriate properties and princi- ples. In this report we identify some of the pitfalls of current approachesand propose a new way to integrate verificationinto interactive systems development.

Campos JC, Harrison M.  1998.  The role of verification in interactive systems design. Design, Specification and Verification of Interactive Systems - DSV-IS. :155-170. Abstractcamposh98.pdf

In this paper we argue that using verification in interactive systems development is more than just checking whether the specification of the system has all the required properties, and that changing the focus from a global specification into partial, property oriented, specifications can provide a number of advantages and make verification actas an aid to decision making. We also present a compiler that allows for the verification of interactor specifications to be done in SMV, as well as a simple case study where verification is used to inform a design decision.

Doherty G, Campos JC, Harrison M.  1998.  Representational Reasoning and Verification. Proceedings of the BCS-FACS Workshop: Formal Aspects of the Human Computer Interaction. :193-212. Abstract10.1.1.39.3743.pdf

Formal approaches to the design of interactive systems, such as the principled design approach rely on reasoning about properties of the system at a very high level of abstraction. Such specifications typically provide little scope for reasoning about presentations and the representation of information in the presentation. Theories of distributed cognition place a strong emphasis on the role of representations in the cognitive process, but it is not clear how such theories can be applied to design. In this paper we show how a formalisation can be used to encapsulate representational aspects, affording us an opportunity to integrate representational reasoning into the design process. We have shown in [3] how properties over the abstract state place requirements on the presentation if the properties are to be valid at the perceptual level, and we have presented a model for such properties. We base our approach on this model, and examine in more detail the issue of verification.

Campos JC, Harrison M.  1997.  Formally Verifying Interactive Systems: A Review. Design, Specification and Verification of Interactive Systems '97. :109-124. Abstractcamposh97.pdf

Although some progress has been made in the development of principles to guide the designers of ninteractive systems, ultimately the only proven method of checking how usable a particular system is must be based on experiment. However, it is also the case that changes that occurat this late stage are very expensive.The need for early design checking increases as software becomes more complex and is designed to serve volume international markets and also as interactions between operators and automation in safety-critical environments becomes more complex. This paper reviews progress in the area of formal verification of interactive systems and proposes a short agenda for further work.

Campos JC, Martins F.  1996.  Context Sensitive User Interfaces. Formal Aspects of the Human Computer Interface. Abstractfahci96.pdf

This paper presents a conceptual design model for user interfaces (MASS1) and a general formalism for dialogue specification (Interaction Scripts) which are the most important components of an approach to the methodological, iterative design of Interactive Systems from formal, model-based specification of both the application and the User Interface (UI).
This approach allows the integration of both dialogue and application semantics from the beginning of the design process, by using prototypes derived from both specifications. Assuming that all the application semantics is available at early design stages, the MASS model defines a set of guidelines that will enforce the designer to create user interfaces that will present a prophylactic instead of the usual therapeutic behaviour. By a prophylactic behaviour it is meant, metaphorically, that the UI will exhibit a behaviour that prevents and avoids both syntactic and semantic user errors, in contrast with the most usual therapeutic, or error recovery, behaviour.
The dialogue specification formalism(Interaction Scripts) despite being general, in the sense that it may be applied to the specification of any kind of dialogue, is specially suited to the specification of UIs with the behaviour prescribed by the MASS design model. In addition, it is independent from concrete environment details, therefore allowing for different implementations of the same specification, that is, different looks and feels. The operational semantics of the Interaction Script notation is also presented in terms of Petri-Nets that are automatically generated from the Interaction Script specification of the dialogue controller.

Campos JC, Martins F.  1994.  O Sistema GAMA - Arquitectura e Implementação. 6º Encontro Português de Computação Gráfica. :2-15. Abstractcamposm94.pdf

Este artigo apresenta o Sistema GAMA, um Sistema de Geração de Interfaces Humano-Computador com um elevado grau de assistência semântica no âmbito de uma metodologia rigorosa para o desenvolvimento de Sistemas Interactivos. O sistema é composto por um módulo de geração semi-automática da especificação da interface (MGI) e outro de animação da interface com base na especificação anterior (MIU). A implementação do MIU é feita com base no Modelo de Seeheim, utilizando três processos, um para cada um dos componentes do modelo. Cada um dos componentes é apresentado bem como os protocolos de comunicação entre eles. É também mostrado como o sistema permite, facilmente, obter tanto uma interface VT100 como uma X11.

Campos JC, Martins F.  1993.  GAMA-X - Uma Arquitectura Software para o Desenvolvimento Semi-Automático de Interfaces Utilizador-Sistema. 5º Encontro Português de Computação Gráfica. :197-209. Abstractcamposm93.pdf

Apresenta-se neste artigo uma arquitectura software destinada a fornecer o suporte tecnológico ao desenvolvimento de Interfaces Utilizador no enquadramento de uma metodologia rigorosa para o desenvolvimento de Sistemas Interactivos.
Assim, partindo da especificação formal da camada aplicativa, usando modelos matemáticos, a metodologia visa a sistematização do processo de construção do sistema interactivo, segundo princípios que têm por objectivo a criação de interfaces de qualidade dado o seu grau de assistência ao utilizador, dadas as suas características preventivas de erros e finalmente dada a sua sensibilidade contectual.
O sistema apresentado, GAMA-X, oferece uma arquitectura de apoio ao desenvolvimento sistemático e semi-automático deste tipo de interfaces, incorporando ferramentas que apoiam os diferentes passos de desenvolvimento.
Apresenta-se neste artigo em maior detalhe a composição do GAMA-X, com relevo para os módulos mais ligados à IU, bem como a linguagem de especificação do controlador de diálogo.
Referem-se ainda questões relacionadas com a camada de apresentação e com a comunicação entre os diferentes módulos.

[Anonymous].  2016.  Proceedings of the 8th ACM SIGCHI Symposium on Engineering Interactive Computing Systems, EICS '16. Abstract

The ACM SIGCHI Symposium on Engineering Interactive Computing Systems (EICS) is a yearly international conference devoted to engineering usable and reliable interactive computing systems. Research presented at EICS revolves around methods, processes, techniques and tools that support specifying, designing, developing, deploying and verifying interactive systems. This 8th ACM SIGCHI Symposium on Engineering Interactive Computing Systems (EICS'16) took place in Brussels, Belgium (21-24 June 2016) - at the heart of Europe.

EICS gathers researchers that aim to improve the ways we build interactive systems. Building interactive systems is a multi-faceted and challenging activity, involving a plethora of different actors and roles. This is particularly true in the domain of HCI, where we continuously push the edge of what is possible, where there is a crucial need for adequate processes, tools and methods to build reliable, useful and usable systems that help people cope with the ever increasing complexity of work and life. The primary goal of the EICS conference series is to provide a venue for novel and high quality contributions in this direction.

Ziegler J, Campos JC, Nigay L.  2014.  HCI engineering: charting the way towards methods and tools for advanced interactive systems. EICS '14 - Proceedings of the 2014 ACM SIGCHI symposium on Engineering interactive computing systems. :299-300. Abstractp299-ziegler.pdf

This workshop intends to establish the basis of a roadmap addressing engineering challenges and emerging themes in HCI. Novel forms of interaction and new application domains involve aspects that are currently not sufficiently covered by existing methods and tools. The workshop will serve as a venue to bring together researchers and practitioners interested the Engineering of Human-Computer Interaction and in contributing to the definition of a roadmap for the field. The intention is to continue work on the roadmap in follow-up workshops as well as in the context of the IFIP Working Group on User Interface Engineering.

[Anonymous].  2008.  Interação 2008 - Actas da 3a. Conferência Nacional em Interação Pessoa-Máquina. Interação 2008. :260. Abstract

A Interacção Pessoa-Máquina é uma área multidisciplinar em rápida evolução. Envolve áreas tão diversas como a concepção de hardware, engenharia de software, design, ergonomia ou psicologia cognitiva. As sinergias entre estas áreas permitem a criação de sistemas interactivos que respondem às reais necessidades dos seus utilizadores.
Na sequência do sucesso das duas primeiras edições, organiza-se agora a Interacção 2008 – 3a. Conferência Nacional em Interacção Pessoa-Máquina – numa iniciativa conjunta do Grupo Português de Computação Gráfica e da Universidade de Évora. Tal como nas edições anteriores, a Interacção 2008 visa promover um ponto de encontro da comunidade interessada na Interacção Pessoa-Máquina em Portugal. Reunindo investigadores, docentes e profissionais das diversas áreas envolvidas, potencia-se a partilha de conhecimentos e pontos de vista, permitindo a divulgação de trabalhos realizados ou em curso e a troca de experiências entre as comunidades académica e industrial.
Adoptando uma postura marcadamente multidisciplinar, a conferência desafiou os autores a abordar desde os fundamentos teóricos às práticas e aplicações emergentes, visando explorar sinergias nas seguintes dimensões:
• Aspectos Teóricos em Interacção Pessoa-Máquina
• Concepção, Desenvolvimento e Avaliação de Sistemas Interactivos
• Tecnologias de Suporte à Interacção
• Aplicações Interactivas
Em resposta a este desafio, foram recebidos 40 trabalhos de autores oriundos de Portugal, Argentina e Áustria. Destes, 19 eram artigos longos (até 10 páginas), 16 artigos curtos (até 6 páginas) e 5 propostas de posters/demonstrações.
Como resultado do processo de revisão dos trabalhos propostos, foram organizadas seis sessões técnicas em que foram apresentados 12 artigos longos e 19 artigos curtos, bem como uma sessão de posters e demonstrações em que foram apresentados 5 trabalhos. De notar que, tendo em vista abarcar uma comunidade o mais lata possível, o Comité de Programa convidou os autores de 6 trabalhos originalmente submetidos como artigos longos a re-submetê-los como artigos curtos (vindo 5 a ser aceites para publicação) e os autores de 2 trabalhos submetidos originalmente como artigos curtos a re-submetê-los como poster/demonstrações (vindo um a ser publicado neste novo formato). Para complementar o programa técnico foram ainda organizadas duas sessões proferidas por convidados internacionais de renome e uma workshop sobre Tecnologias Multimédia no Ensino.
A conferência decorreu entre os dias 15 e 17 de Outubro de 2008, nas instalações da Universidade de Évora. Procurou-se que ela fosse um retrato do trabalho que vem sendo desenvolvido nesta área em Portugal. Assim, as sessões técnicas desenvolveram-se em torno de seis temas principais, seleccionados a partir da análise dos trabalhos aceites: Aplicações Interactivas, Avaliação e Usabilidade, Concepção e Desenvolvimento, Computação Móvel e Acessibilidade. Sem se tratar de uma classificação estanque, pensamos ser esta uma organização natural e abrangente dos trabalhos apresentados.
Terminamos agradecendo aos membros do Comité Organizador e da Comissão de Programa todo o seu trabalho, aos oradores convidados, Golan Levin e António Câmara, bem como a todos os autores. Agradecemos finalmente a todos os patrocinadores por nos ajudarem a tornar este evento possível. Esperamos que esta tenha sido mais uma contribuição para fomentar a partilha e colaboração da comunidade Interacção Pessoa-Máquina em Portugal.

[Anonymous].  2006.  Interacção 2006 - Actas da 2a. Conferência Nacional em Interacção Pessoa-Máquina. Interação 2006. :240. Abstract

A concepção e desenvolvimento de sistemas interactivos envolve aspectos que vão desde a psicologia à engenharia de software. Recentemente verificou-se uma rápida evolução nesta área multidisciplinar, tanto a nível tecnológico, como do contexto de utilização da tecnologia. Assim, às tradicionais preocupações com a eficácia, eficiência e satisfação, juntam-se agora questões como entretenimento, design, estética, cooperação, ubiquidade e adaptabilidade. Paralelamente, o leque de utilizadores alvo dos sistemas é cada vez mais alargado, existindo a preocupação de desenvolver interfaces para pessoas e contextos de utilização com diferentes tipos de necessidades e requisitos ao nível físico ou cognitivo. Torna-se assim necessário perceber o impacto destas novas realidades no processo de interacção e no desenvolvimento de sistemas interactivos.
Depois do sucesso da primeira edição, organizada em Julho de 2004 na Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa, organizou-se agora a Interacção 2006 – 2a. Conferência Nacional em Interacção Pessoa-Máquina – numa iniciativa conjunta do Grupo Português de Computação Gráfica e do Departamento de Informática/Centro de Ciências da Computação da Universidade do Minho. Tal como na sua primeira edição, a Interacção 2006 visou promover um ponto de encontro da comunidade interessada na Interacção Pessoa-Máquina em Portugal. Reunindo investigadores, docentes e profissionais, permitiu a divulgação de trabalhos e a troca de experiências entre as comunidades académica e industrial.
Adoptando uma postura marcadamente multidisciplinar, a conferência desafiou os autores a abordar desde os fundamentos teóricos às práticas e aplicações emergentes, visando explorar sinergias nas seguintes dimensões:
• Aspectos Teóricos em Interacção Pessoa-Máquina
• Concepção, Desenvolvimento e Avaliação de Sistemas Interactivos • Tecnologias de Suporte à Interacção
• Aplicações Interactivas
Em resposta a este desafio, foram recebidos trabalhos de Portugal, Espanha e Brasil.
Como resultado do processo de revisão dos trabalhos propostos, foram organizadas sete sessões técnicas em que foram
apresentados 13 artigos longos e 16 artigos curtos, bem como uma sessão de posters e demonstrações em que foram apresentados 9 trabalhos. Para complementar o programa técnico foram ainda organizadas duas sessões proferidas por convidados internacionais de renome e uma sessão dedicada à indústria, em que se convidaram empresas e uma associação a apresentar a sua perspectiva sobre o tema da Usabilidade.
A conferência decorreu entre os dias 16 e 18 de Outubro de 2006, nas instalações da Universidade do Minho, Campus de Gualtar, em Braga. Procurou-se que ela fosse um retrato do trabalho que vem sendo desenvolvido nesta área em Portugal. Assim, as sessões técnicas desenvolveram-se em torno de sete temas principais, seleccionados a partir da análise dos trabalhos aceites: Acessibilidade, Psicologia Cognitiva e Colaboração, Concepção e Desenvolvimento, Interfaces Multi-modais e Adaptativas, Realidade Virtual e Aumentada, Vizualização e Pesquisa de Informação, e Avaliação. Sem se tratar de uma classificação estanque, pensamos ser esta uma organização natural e abrangente dos trabalhos apresentados.
Terminamos agradecendo aos membros do Comité Organizador e da Comissão de Programa todo o seu trabalho, aos oradores convidados, Michael D. Harrison e Larry L. Constantine, bem como às instituições que aceitaram o desafio de participar na sessão dedicada à indústria (Associação Portuguesa de Profissionais de Usabilidade, MobiComp, Wintouch e Edigma.com) e a todos os autores. Agradecemos finalmente a todos os patrocinadores por nos ajudarem a tornar este evento possível. Esperamos que esta tenha sido mais uma contribuição para fomentar a partilha e colaboração da comunidade Interacção Pessoa-Máquina em Portugal.

Campos JC, Sousa M, Alves M, Harrison M.  2016.  Formal Verification of a Space System's User Interface with the IVY workbench. IEEE Transactions on Human-Machine Systems. 46(2):303-316. Abstractthms-paper-author_version.pdf

This paper describes the application of the IVY workbench to the formal analysis of a user interface for a safety-critical aerospace system. The operation manual of the system was used as a requirement document, and this made it possible to build a reference model of the user interface, focusing on navigation between displays, the information provided by each display, and how they are interrelated. Usability-related property specification patterns were then used to derive relevant properties for verification. This paper discusses both the modeling strategy and the analytical results found using the IVY workbench. The purpose of the reference model is to provide a standard against which future versions of the interface may be assessed.

Couto R, Ribeiro AN, Campos JC.  2015.  The Modelery: A Model-Based Software Development Repository. International Journal of Web Information Systems. Abstractijwisv2.pdf

Purpose
– This paper aims to present the Modelery, a platform for collaborative repository to support model-based software development. The Modelery is a Web platform, composed both by a Web page and Web services for interoperability.

Design/methodology/approach
– By performing a study in the existing platforms, it was possible to achieve a set of issues to tackle. The issues enabled the possibility to define a set of requirements that allowed the authors to design a new platform, and to perform a model-driven software development process, which started from the requirements until reaching the final software solution.

Findings
– With this work, it was possible to perform a survey on the currently available artifacts repositories, categorize them and identify their shortcomings. This was essential to define the set of requirements for a new platform to overcome the identified issues. This process leads to a platform able to improve the currently available solutions, and validated in the scientific community. In this paper, the authors also explore the applications of the repository. First, they use the Modelery to replace an older model’s repository. Second, they have enabled the communication between other tools and the Modelery via Web services.

Originality/value
– This work presents a new Web repository for software artifacts aimed at supporting researchers and software developers. The presented platform is an improvement over other platforms on the integration of artifacts repository, social functionalities and scientific publications integration. The authors conclude this paper by comparing the achieved platform in terms of functionalities, against the other analyzed platforms.

Harrison M, Campos JC, Masci P.  2015.  Reusing models and properties in the analysis of similar interactive devices. Innovations in Systems and Software Engineering. 11:95-111. Abstractharros.pdf

The paper is concerned with the comparative analysis of interactive devices. It compares two devices by checking systematically a set of template properties that are designed to explore important interface characteristics. The two devices are designed to support similar tasks in a clinical setting. The devices differ as a result of judgements based on a range of considerations including software. Variations between designs are often relatively subtle and do not always become evident through even relatively thorough user testing. Notwithstanding their subtlety, these differences may be important to the safety or usability of the device. The illustrated approach uses formal techniques to provide the analysis. This means that similar analysis can be applied systematically.